As demandas globais por energia, proteção ambiental e bem estar dos idosos – uma resposta brasileira

24/09/2009
As demandas globais por energia, proteção ambiental e bem estar dos idosos – uma resposta brasileira
No ?post? anterior me referi a três demanda mundiais, a economia de energia, a proteção do meio ambiente e a melhoria do bem estar dos idosos. A primeira resposta politica estruturada a estes desafios que eu conheço no Brasil foi elaborada pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) que preparou dois importantes documentos emitidos em dezembro de 2007 e em junho de 2008,  o Estudo Prospectivo de Materiais.
xxxxxxxxxxxxxVc pode buscar o link DELES, por favor xxxxxxxxxxxxxxx
Os temas listados abaixo mostram o papel dos materiais e da tribologia frente a estes desafios.
1) Aproveitamento sustentável de recursos naturais minerais e biológicos e a inovação em materiais avançados deles derivados.
2) Materiais avançados para geração e armazenamento de energia
3) Novas tecnologias de materiais para aplicações ambientais
4) Materiais avançados para a saúde integral
5) Materiais avançados para tecnologias sensíveis (defesa, aeroespacial)
6) Oportunidades em tribologia como agente de inovação no desenvolvimento de materiais
A geração de energia, saúde e proteção ambiental foram diretamente condicionadas ao desenvolvimento de materiais. A ?tribologia? corta os temas, apontando demandas relacionadas a atrito, lubrificação e desgaste, em geral esquecidas no estudo tradicional dos materiais.
As demandas em tribologia são: novos fluídos lubrificantes, materiais tribológicamente avançados para setores primários,  revestimentos e texturização de superfícies, aplicação da tribologias na manufatura e em sistemas biológicos. Por fim, o documento aponta a aplicação da caracterização tribológica in situ com técnica para acelerar o processo de inovação na área.
Amilton Sinatora 08-09-09
No post anterior,  me referi a três demanda mundiais, a economia de energia, a proteção do meio ambiente e a melhoria do bem estar dos idosos. A primeira resposta política estruturada a estes desafios que eu conheço no Brasil foi elaborada pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) que preparou dois importantes documentos emitidos em dezembro de 2007 e em junho de 2008,  o Estudo Prospectivo de Materiais Avançados, publicado no site do centro, onde tem uma ferramenta de busca por documentos.
Os temas listados abaixo mostram o papel dos materiais e da tribologia frente a estes desafios.
1) Aproveitamento sustentável de recursos naturais minerais e biológicos e inovação em materiais avançados deles derivados.
2) Materiais avançados para geração e armazenamento de energia.
3) Novas tecnologias de materiais para aplicações ambientais.
4) Materiais avançados para a saúde integral.
5) Materiais avançados para tecnologias sensíveis (defesa, aeroespacial).
6) Oportunidades em tribologia como agente de inovação no desenvolvimento de materiais.
A geração de energia, saúde e proteção ambiental foram diretamente condicionadas ao desenvolvimento de materiais. A tribologia permeia os temas, apontando demandas relacionadas a atrito, lubrificação e desgaste, em geral esquecidas no estudo tradicional dos materiais.
As demandas em tribologia são: novos fluídos lubrificantes, materiais tribologicamente avançados para setores primários,  revestimentos e texturização de superfícies, aplicação da tribologia na manufatura e em sistemas biológicos. Por fim, o documento aponta a aplicação da caracterização tribológica in situ como técnica para acelerar o processo de inovação na área.
Amilton Sinatora
Anúncios

Três demandas globais e a tribologia

15/09/2009

Existem três grandes demandas mundiais que orientam políticas e, conseqüentemente, o desenvolvimento técnico: economia de energia, proteção do meio ambiente e melhoria do bem estar dos idosos. Elas fazem frente a três contingências do desenvolvimento da humanidade: uma insaciável demanda por energia, a degradação desenfreada do meio ambiente e o progressivo envelhecimento da população em todo o mundo.

As três demandas estão intimamente ligadas à tribologia e, portanto, à atuação do Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies e dos grupos de pesquisa que o constituem.
A economia de energia está diretamente relacionada com as perdas por atrito. Se estas são, por um lado, inexoráveis em todos os sistemas – uma decorrência inevitável das leis da física – por outro, estas perdas podem ser diminuídas com o emprego de lubrificantes, com a seleção de materiais que minimizem a força de atrito ou com projeto adequado dos componentes.
A proteção ao meio ambiente está associada às perdas por desgaste, com enormes consumos de materiais para repô-las. Basta, por exemplo, pensar no consumo de pneus de automóveis. Ao mesmo tempo, a proteção ambiental depende de diminuição do coeficiente de atrito para que os equipamentos possam funcionar com menores consumos de energia e, conseqüentemente, com menor emprego de combustíveis poluentes.
A melhoria do bem estar dos idosos passa pelo desenvolvimento de próteses dentárias, ortopédicas, cardíacas, de pele e outras, que permitam a substituição dos nossos órgãos desgastados pelos cada vez mais longos anos de existência. Como se vê, o bem estar de todos, em um futuro perfeitamente previsível, passará, inapelavelmente, pelo desenvolvimento de materiais ou de superfícies capazes de resistir a períodos cada vez maiores de funcionamento com segurança e conforto.
Amilton Sinatora

Vale Soluções em Energia – uma empresa predestinada

27/08/2009
Algumas empresas nascem predestinadas a enfrentar grandes desafios.
A Vale Soluções em Energia foi formada pela VALE e pelo BNDES para enfrentar o problema da escassez de energia. No Brasil o problema é que a VALE consome cerca de 5% da energia  e cerca de 4% de todo o óleo diesel produzidos no país!
Para os padrões brasileiros, a VALE é uma grande empresa. Entretanto analisando a lista da 500 maiores empresas do mundo nota-se que em um grande país como o Brasil poderíamos facilmente ter, por exemplo, vinte empresas do porte da VALE. Exatamente, estas vinte empresas consumiriam toda a energia do país!!  Ou seja para crescer sem prejudicar o país, a VALE precisa providenciar energia para não ficar na dependência de inciativas estatais que dependem de circunstâncias.
Os três pontos de atuação da jovem empresa, fundada em 2007, são projeto e construção de turbinas, motores de grande porte e gaseificadores. Para isto ela pretende contar com 1.200 pesquisadores por volta de 2011.
Em visita a VSE pudemos antever a colaboração entre a VSE, o Laboratório de Fenômenos de Superfície e o Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies em duas frentes importantes, a formação de pesquisadores em engenharia de superfícies e a pesquisa avançada em tribologia.
Os desafios tribológicos da VSE são enormes, uma vez que, em paralelo com o desenvolvimento e produção de grandes motores, a empresa tem o firme compromisso de produzir energia limpa. Ou seja, podemos antecipar que seus projetos demandarão maiores temperaturas de funcionamento, o uso de biocombustíveis como o etanol e o biodiesel, o que colocará fortes solicitações tribológicas nos componentes, materiais e lubrificantes.
Amilton Sinatora